terça-feira, fevereiro 25, 2003

Desde o dia 18 sem post
Largado novamente esse bloguinho...

GANHAMOS R$500,00!!!
AD e Eu
Eu e a AD. Dá para acreditar?

Minha idolatrada pequena teve a brilhante idéia de ir de Betty, a feia na balada a fantasia aqui em Guará. Ela foi de Betty e eu fui de Nicolas Mora para acompanhar, o amigo feio da feia. Isso nos rendeu o prêmio de melhor fantasia de dupla da noitada e 50, 100, 150..., 500 REAIS para os feiosos. Houve mais 500 para melhor fantasia unitária e mais 500 para o melhor grupo, o Surfista e o Entrerro (levaram caixão, morto e tudo) Dividimos o prêmio e engordamos nossas carteiras. Foi muito da hora.

Vitor ouvindo Legião

terça-feira, fevereiro 18, 2003

03/02/2002 - Sem nenhuma alteração

Acsom (Leia o título como se fosse um palíndromo, mas não é)

Acordara mais cedo o jovem da família e fora ver televisão na sala. Vendo tv ele ouviu um barulho que a principio achou estranho, mas foi muito baixo e ele o ignorou. Ouve novamente, o mesmo som, e identifica. Viera de um inseto. O bater das asas do inseto em alguma coisa, como se estivesse preso. Não achou e nem procurou o inseto, ficou sentado no sofá e imaginado-se no monólogo:

Se for um inseto gigante, do tamanho de um cachorro? Já pensou o poderia acontecer? Já pensou? Notícia no país todo? Não! No MUNDO todo. As manchetes: Vitor mata inseto gigante nunca antes visto por ninguém, um grupo de cientistas, os melhores na área da "insetologia", viram estudar o inseto mutante. Nossa. Eu vou dar entrevistas no jornal da globo, no fantástico, na Folha de São Paulo. E quando estiver sendo entrevistado na TV: Primeiro eu perguntarei se o jornal é ao-vivo, depois falei no final do programa: "-Se você quiser entrar em contato comigo é só acessar essa página que está aparecendo aqui ó: http://cab.blogspot.com". Nisso eu estarei apontando o dedo para baixo. Por isso que perguntarei se é ao-vivo ou não, se fosse não iria dar para eles colocarem o endereço embaixo e eu apontaria para o nada.

Voltando do pensamento fora a cozinha fazer seu hábito matinal, que era abrir os armários e a geladeira a procura de algo que lhe interessasse ao estômago. Dessa vez não achou nada, sabia que iria outra vez fazer isso, mesmo sabendo que não iria achar nada, repetia o ato até se cansar. Voltando para a sala, quando fora sentar no sofá, para retomar o filme do telecine, deu de cara com uma mosca "gigantesca" (não confundo o meu gigantesco com o gigantesco canino dele), deveria ter uns dois centímetros e meio. Parou e ficou olhando para ela. Tinha medo de que ela voasse em sua direção. Não dava para vela direito, a claridade que transpassava o vidro em que ela estava era forte, o sol estava radiante naquela manhã. Resolvera pegar o mata-mosca na lavanderia. Quando viera para matar a mosca no vitrô, não a achara de início, mas logo olhou para baixo e a avistou. Ficou sem coragem de mata-la, não se sabe de qual forma, mas havia criado um vinculo com ela. Não sabia se não tinha coragem porque tinha pena da coitadinha ou se por medo dela voar em sua direção. Resolvera que iria tentar abrir o vitrô onde ela estava. Foi muito devagar para a mosca não perceber sua presença e voar, podendo assim ir em sua direção. Não sabia ele que a mosca estava com mais medo do que ele. Ela avistara a arma na mão dele, era como a lenda contada pelos seus ancestrais dizia: "Um ser feio e nojento, com a desgraça na mão irá acabar com nossa espécie, que para ele é feia e nojenta, a desgraça tem calda longa e regida ligada à cabeça que é cheia de furos, ela é a que vai nos matar". A mosca vira a desgraça na mão do ser e ficara apavorada. Estava imóvel sem saber em que pensar e no que fazer. Tinha muito medo fugir, pois achava ela que ele a estava esperando. Vitor que não conseguira matar a mosca foi aproximando o braço lentamente da maçaneta do vitrô, lento até demais. Não era possível saber quem estava com mais medo, se era ele ou se era a mosca vendo a lenda se concretizar. Depois de um tempo ele conseguiu por a mão direita na maçaneta. Não tirara o olho, que estava concentrado, da mosca. A mosca permanecera imóvel. Ele foi abrindo lentamente o vitrô, lento até de mais. A mosca não se mexia. A mosca resolvera que não iria voar tentando fugir se ele não chegasse perto dela. Ele abriu uma fresta no vitrô, a mosca vira a passagem e não pensara duas vezes, foi saindo devagar dali, andando, sem voar. Quando vira que atravessara para o outro lado do vitrô voou para a liberdade. Vitor ficou aliviado e sentiu necessidade de escrever o fato. A mosca foi rapidamente para casa contar que havia estado frente a frente com a lenda. Ficou famosa na família, não em todo o mundo das moscas, pois muitas já haviam visto a lenda. Menos alguém da sua família, ela fora a primeira. Isso podia ser visto até como uma questão de honra na família da mosca, pois muitos esnobavam a família. "Aquela família é muita fraca, não houve um sobrevivente a lenda" diziam. A mosca virara uma heroína na família e Vitor...

Moral da história:
(OH! Eu não sei a moral da história)

Vitor ouvindo Oh não! Outro zumbido de mosca!

domingo, fevereiro 16, 2003

Japão tem seu "homem invisível"

TÓQUIO -- A Universidade de Tóquio fez uma demonstração da tecnologia de camuflagem óptica, apresentando uma jaqueta cujo efeito visual dá a impressão de que quem a usa está transparente.

Na foto (ao lado), é como se os três homens caminhando atrás estivessem sendo vistos através do corpo do estudante Kazutoshi Obana. Será ele o homem invisível?

A demonstração conduzida pelo professor de engenharia Susumu Tachi é o resultado de um estágio inicial de sua pesquisa.

Ele espera que, no futuro, os objetos camuflados tornem-se virtualmente transparentes devido ao aparato óptico.

A foto foi feita por meio de uma mira da câmera fotográfica que combina imagens em movimento atrás e na frente de Obana.

Ele estava vestindo uma jaqueta luminosa para criar o efeito transparente.

A tecnologia poderia provar-se útil para várias profissões.

Os cirurgiões poderiam usá-la para ver através de seus próprios dedos e dos instrumentos cirúrgicos durante as operações.

Outro uso poderia ser na aviação, onde os pilotos poderiam tornar transparente o piso de suas cabines.

(Com informações da Associated Press)

Tirado da CNN.com.br

quinta-feira, fevereiro 13, 2003

Bela, porém muito triste sua história.

Nessa semena que passou faleceu uma aluna da minha mãe. Tinha 12 anos quando cursou a primeira série no ano passado. Ela era deficiente e cheia de problemas tadinha. Usava cadeira de rodas e tinha uma válvula na cabeça para aliviar a pressão de seu cérebro, além de remédios, muitas consultas... A vida da mãe da criança era cuidar de sua filha, muito trabalho e sendo desfavorecida finaceiramente ficava ainda mais difícil essa labuta.

Aos onze anos nunca tinha ido a escola. Realizou um sonho estudando com a minha mãe que ficou muito feliz por ter sido sua professora. Pode-se até dizer que foi uma honra. Ficou feliz de ter sido com ela. O futuro da garota já era de conhecimento de todos pelos laudos médicos. É muito bom saber que em último ano ela foi muito feliz estudando.

Vitor ouvindo Chico Buarque - As Cartas

quarta-feira, fevereiro 12, 2003

Sábado, dia oito, o casal Vitor e Ariadne completou seis meses de namoro

É tão bom saber que nós estamos juntos todo esse tempo, que deu certo, que nos amamos e que isso é maravilhoso. Foram seis, mas não parece, nem de longe. Foi uma vida toda. Aconteceram tantas coisas, tantas lindas. Tantos momentos marcantes e especiais que vira e mexe saem da nossa memória e vêem aos nossos pensamentos e ficamos recordando com imenso prazer. É tudo muito especial.

”Loucura” de amor? (fresa feita para despertar interesse na leitura, não foi lá essas coisas, mas que foi muito lindo foi!)

Se você tiver idéia de fazer algo que alguém achará legal, que gostará, faça! Quantas vezes eu pensei em fazer coisas para a AD e não fiz por pura bobeira. Para essa comemoração dos nossos seis meses tive a idéia de chegar mais cedo na escola e preencher o quadro com minhas sentimentalidades à AD. Eu pensei e pensei (planejei) em fazer isso e fiz! Ela adorou. Foi muito lindo.

Na sexta-feira antes de dormir eu escrevi o rascunho do que seria escrito na lousa. Eu não queria levar pronto, pois tudo que eu vou pronto fazer, nunca faço. Lembram da vez da pizzaria recentemente repostado aqui? Achei melhor já levar escrito, mais seguro. Tinha que terminar de escrever antes que ela chegasse para poder subir com ela. Com certeza estaria me esperando para entrar na sala. Sempre nos esperamos para entrarmos juntos.

Cheguei eu não tinha quase ninguém na escola. Só o terceiro tem aulas sábado. Pedi giz para o inspetor e me disse que tinha na sala dos professores e para eu ir lá ver se havia alguém que pudesse me arranjar algum. Não tinha ninguém, entrei devagar sem fazer barulho e peguei amarelos e azuis saindo rapidamente até a sala. Sem perder tempo fui logo passando do papel para o quadro e começando a minha homenagem.

Fiquei escrevendo, dando o melhor de mim na minha letra, o que não ajudou em muita coisa. E o povo foi entrando. Alguns (duas meninas) ao entrar falaram: “Que lindo!”. Isso me deixou menos nervoso ou mais ainda. Deixou-me mais seguro. Estava na metade e já eram sete e vinte e cinco. Sete e meia dava o sinal. Aprecei-me um pouco e deu o sinal. Já sabia que ela tinha chegado por meio dos colegas. Ela estava na porta com outros colegas esperando o professor. Tinha até a hora do professor chegar na sala para terminar. Ele chegou e eu estava já quase assinando minhas palavras. A AD entrou:

-Você ta aí?! >=| E eu te esperando lá fora! Blá blá blá!!!!
Quando ela vê o que eu estava fazendo:
-Ai Vi. (pausa) Ai Vi... (outra pausa) Ai...

Todos sentados em suas carteiras e o professor no canto também assistindo; eu encerrando rapidamente e a AD em pé segurando seu material na frente da sala lendo os sentimentos que a maioria já lera. A cena foi linda, nunca esquecerei. Muito lindo. Outro maravilhoso momento em nossa história.

Amo-te AD!
Vitor ouvindo O Disco do Balão Mágico – Marco da sua infância
Pum-pum-pum Miauuuu!
Pum-pururum-pum-pum Miauuuu!
=]

sexta-feira, fevereiro 07, 2003

Os Intocáveis

Nesse ano, o terceiro ano, no objetivo nós recemos alguns livrinhos de exercícios para estudar durante o ano. A maioria exercícios de vestibular. Só para ter uma idéia a primeira aula de matemática em uma das frentes, geometria, são 80 exercíco. E por aí vai. Os execercícios que não foram tirados de vestibulares ainda são os mais difíceis.

Recemos 14 livros no primeiro dia de aula. Sendo que cada livro é numerado e recebemos o de números 35 entre esses 14. Faltam 21 para completar a coleção. Os exercícios de potencialização me tomaram uma tarde e noite toda, de um professor de matemática (são três) levo o dia todo na tarefa. fiquei 3hrs até a houra de dormir. Deu para ter uma idéia do porque do apelido (título do post) dos livros.

Vitor ouvindo Chico Buarque - Você Vai Me Seguir
Caro Paulo Bross,

Estou recebendo sim os seus e-mails. Desde quarta-feira. Me mandou muito e-mail, cara. Meu micro não irá comportar a todos.

Tenho um moden36, 300Megahertz e 28 de ran. Mil perdões, mas eu me senti forçado a apagar alguns e-½s antes mesmo de recebe-los. Me desculpe. Foram quase cem e-½s, não deu. Apaguei os que estavão com anexos de 100K ou superiores.

E até agora eu só vi/li a resposta do questionário. Sem contar da outra vez da "moda do questionário" você fui o único que me mandou a resposta. Nem a AD me enviou. Estamos sem tempo agora no terceiro ano. Ontem eu fiquei das 15hrs até a hora de ir dormir numa apostila de exercícios de uma matéria, Matemática. Mas isso só em um professor ainda, são três de matemática. Não estou no rítimo ainda. Começo é soda.

Assim que possível lerei e responderei os seus e-mails (não todos, a minoria na verdade).

Um grande abraço,
Vitor

PS: Super animado para a aula de amanhã (sábado)!

quarta-feira, fevereiro 05, 2003

Primeiro, segundo e terceiro dia de aula

Acabei deixando para bem depois o post sobre a volta as aulas.

Agora estou no terceiro ano e ouvindo a palavra vestibular 365 vezes por dia, sejam proferes, colegas, namorada, amigo ou a minha própria consciência me dizendo. Eu tenho duas alternativas esse ano:
Ou eu estudo ou eu estudo.

O que será do cab agora? Já era largado comigo vagabundeando em casa.

Primeiro dia foi legal. Achei que ouviríamos mais sermões da Dona Dora (diretora), mas foram mais o professores mesmo que falaram. Alguns falaram, um outro disse o nome, a matéria que leciona (Geografia) e a página que era para abrir a apostila, e outros fizeram os dois (maioria).

Sentei atrás da AD =] Dá para ficar fazendo carinhos todas aulas toda; que delícia! Com exceção da aula do Baruel que é meio rigoroso no comportamento e pode tirar nota de disciplina por isso, mas é gente fina o cara, muito da hora. Além de ensinar genética e citologia ele é dentista também. É o professor preferido da AD. "

É muito bom estar na sala de sua namorada. Não deve haver aula mais gostosa do que a assistida com a pessoa amada. As salas foram separadas por nota e adivinham onde eu fiquei por causa da AD? Na sala dela com as pessoas de melhores notas. Mesmo com o mau desempenho no primeiro semestre do ano anterior eu fiquei bem selecionado =]; ainda bem! Melhorei por causa dela. Me fez estudar. Eu falei aqui o sistema que ela fez de eu fazer exercícios e cadernos de caligrafia por más notas. Ela cuida muito bem de mim. Gosto muito disso.

Tem um cara da Nova Zelândia na minha sala. Fazendo intercâmbio. Não falar português, só inglês. O Daniel que sabe um pouco de inglês sentou perto dele e conversa e traduz coisas para ele. O Daniel se deu bem se pode dizer, vai treinar bastante seu inglês. O nome dele é algo como Uldi, Ulri, ou quase isso.

Vou dormir agora e tentar regular meu relógio biológico que está todo atrapalhado.
Boa Noite!

Vitor

sábado, fevereiro 01, 2003

Ainda não terminei de arrumar o meu quarto

Pois é. A bagunça é tanta que provavelmente irá durar três dias essa arrumadinha (se eu acabar hoje). E não é bagunça só minha não. A culpa não é toda minha, não. Fizeram uma reforma no meu quarto faz um tempo já. Ficou bem legal. O desenhamos e mandamos fazer o armário. Ficou forrado com o armário, cheio de portas e espaços para guardar as coisas. E ao decorrer desse tempo fui ouvindo sempre a frase: "Vitor, posso guardar isso no seu quarto?", ou então mais direto: "Vou por isso no seu guarda roupa". Enfim, botaram a casa no meu quarto. O pior é que eu tenho renite e essas coisas juntam pó. Ontem me deu uma grande crise de espirros. Atim! Atim! Atim! Atim! Atim! Uma seqüência de cinco espirros me venceu. Parei e fui ver TV. Assisti o final do filme Bom Dia Vietnã e assisti Bruce Lee - A História na TNT. Tomara que eu termine logo, que ninguém saia ferido e eu domine o meu quarto.

Hoje a AD chegou =D para a alegria e felicidade total de um coração possuído de saudades. Ligou-me, mas não a vi ainda para matar essa saudade.

Vai ter festa hoje. Aniversário do Daniel! Parabéns Daniel! Muitas felicidades, que você passe no vestibular e que sempre divirta as rodas de amigos com seu violão. Já deu para notar que ele é o violeiro da turma. Vai ser legal rever (palíndromo!) a turma no final de nossas férias.

Até loguinho!
Vitor

Livro com uma mão não dá

Ler segurando o livro com apenas uma das mão não dá. É como fazer sexo ativo sem ter as duas mãos na parceira, não dá. E uma mão escondida s...