domingo, outubro 31, 2004

Fotolog.net

The account you are trying to validate has expired!

If a new member doesn't validate their email address within 24 hours, that account is expired and the username is made availabe to registering users again.

Click here to begin the registration process again.
Aí, compadi. Vai ter post hoje não. Vai ter churrasco, sol, amigos e piscina. Ah, sim, o mais novo na minha lista que eu esqueço sempre porque ainda é novo: cerveja!

Como diria meu professor: "Esses churrascos de comenings e dapranings!". E daí? A gente ri bastante. Está ótimo!

quinta-feira, outubro 28, 2004

Sorriso bom

Desde o começo do ano que eu espero ônibus com ela e com mais a "turma das sete horas", aparecidenses. Vamos para Guaratinguetá todo santo dia! A gente, eu e ela, só nos víamos assim: eu com a minha cara de sono-podem-me-espetar-com-uma-agulha-que-eu-estou-com-muito-sono-para-reagir e ela com sua cara de "minha-mãe-me-acordou-daquele-jeito-chato-como-sempre!". Como o de costume aqui no sudeste, quase nunca há "bons dias" desejados entre pessoas desconhecidas e ainda mais com sono. Ah, que mundo estou tentando evitar, nunca niguém fala "bom dia", muito menos sob essas sonolências! As excessões existem, tudo bem... O mundo não está tão perdido assim, mas elas são raríssimas.

Bem, a garota deve estar na oitava, sétima série do colégio que a minha mãe dá aula. O fato é que hoje eu fui fotografar o teatrinho que a professora Àurea, Senhora Minha Mãe, apresentou com seus alunos: "A linda Rosa Juvenil". Fotos tiradas, chave e documento do carro em mãos (eu sempre dou um pulo lá para pegar o carro antes do meu almoço -- digo "meu" pois, a essa hora, até o meu cachorro já almoçou), estava indo embora e vi a menina lá na porta, sentada com alguém, uma colega... Joguei um oi, sorrindo, que ela agarrou com outro sorriso e retribuiu com o seu "oi" baixinho baixinho, se não visse a boca mexendo para me dizer, nem teria percebido. Eu estava contente, sorrindo no caminho. As crianças da primeira série sempre me alegram. E esse último sorriso veio me completar! Espero que nos vejamos amanhã e que esse "oi" se transforme num bom "bom dia" e que eu me sinta uma exceção nessa sociedade de pessoas tão afastadas perto das outras.

Vocês que melhor me conhecem podem estar Sherlocosamente-Holmes matutando: "Ué? Mas você pega ônibus de manhã, nessa escola da sua mãe que você vai às vezes, ela dá aula no período da tarde...". A menina teve alguma atividade no período da tarde no colégio, ora bolas.

Conversando

Na palestra, através de bilhete, com a Ritinha

Posso escrever ou vou te atrapalhar?
Vai não. Fala.
É que depois que rolou entre a gente, descobri que não gosto dele como menino, entendeu?
Você sabe o porquê ou é daquelas coisas que são apenas do coração e o cérebro não explica?
Não sei dizer, a primeira vez foi boa, mas depois não foi mais legal. Pode ser porque eu sou meio paranóia com essas coisas. Sei lá, gosto dele como um irmão.
Será que você não idealizou coisas que a realidade mostrou ser diferente? (as expectativas que nós criamos)
Pode ser... É que esse tipo de coisa me faz mal (já te disse) não sei porque, mas fazem. E principalmente por eu estar me sentindo uma traidora.
Por que se sente assim? Vamos ver, você pediu para que vocês tentassem para ver como seria. Ele resolveu experimentar mesmo que não sentisse na época o mesmo que você. E agora que vocês estão juntos parece que a situação se inverteu, ele está gostando e você está como ele estava. Isso?
Não sei dizer se ele está gostando. E não que eu não esteja, mas é que me sinto mal por saber que estou ficando por ficar e não porque eu gosto dele.
Ah, sim. Crises modernas de amantes a moda antiga como nós. Acredito que o ato/fato de “ficarmos” nos fere em muito nosso desejo real, os nossos sonhos; mas o quê você/temos a perder? Você não está com ninguém, tem um gatinho dando sopa, por que não dar uns beijos na boca e satisfazer um pouco os nossos hormônios? Às vezes, parece que nada está bom: se não estamos assim como você está, somos impotentes de atitudes e estamos mal por isso, e se o fazemos, estamos também mal. Se ele lhe pedisse namoro, o que sentiria/faria?
Não aceitaria porque não gosto dele. Você pode até me achar complicada, mas acho que já estou em outra.
Opa! Peraí. Tem outro gato na parada?
Cara, eu sou muito complicada nesse assunto. É eu acho que o, tem outro na parada.
Então você se sente enganando o gatinho por estar com ele mas querendo outro alguém. É, isso não é legal.

quarta-feira, outubro 27, 2004

Esses comentários...

Nesses últimos posts eu pude perceber que postar sobre comentários é uma tarefa bastante agradável para mim e, além disso, torna o cab mais amigo de quem passa por ele.

O Borracho comentou: se as coisas que escreves não tão decentes pelo menos ta fazendo sexo. Tenho que dizer que isso me atingiu profundamente? Eu não estou fazendo sexo, nunca fiz, mas sei que faze-lo-ei. Agora, a existência das palavras do Borracho só vieram confirmar que eu não estou escrevendo bem realmente.

O Billy comentou algo tão bonito sobre acontecimentos passados que eu apenas reproduzirem aqui, não há o que mais falar: Pois, afinal, lembrar é fácil para quem tem memória, esquecer é difícil pra quem tem coração.

O Lucas deu a sorte de ver a “imagem-especial” que há nessas que ficam trocando aí em cima a cada visita ou atualizada. Uma foto minha! Vocês têm 1/8 (um oitavo) de chance de vê-la de primeira vez.

E para a gracinha da Flávia Girlish eu tenho que dizer que eu nunca tirei dez em redação no colégio. Era sempre o maldito 7,5, nem mais, nem menos. Sempre ele, 7,5. E também que o comentário dela me foi um belo Biotônico Fontoura.

terça-feira, outubro 26, 2004

Qualquer coisa, menos um post (?)

Como o Carlos falou: ...as que ficam menos nojentas eu posto. Está sendo assim mesmo. E ninguém das várias pessoas que existem dentro de mim (não se assustem, existem várias pessoas dentro de cada um de vocês também) descobre o porquê da ocorrência. Mas, mesmo relevando bastante o assunto esses dias, acho que já está passando. E eu acho que foi a lambada-psicológica que eu levei do meu pai no final de semana que me ajudou. Resumo: "Eu investi tudo isso em você e agora quer essa faculdade furreca?". Quis morrer, ai que viadisse a minha. Acontece que com ápice negativo do ego (imaginem aquele abismo que Gandalf cai no primeiro filme do Senhor dos Anéis), parece que logo em seguida vem o ápice positivo (imaginem uma ótima sensação de bem-estar apesar de tudo). Eu fiquei bem. Comecei duas histórias que estão ainda na metade, escritas no meu caderno_salvador_de_pensamentos_que_me_nascem-para_serem_escritos! Será o fim que significa novo começo?

Pensei também na proposta (sempre que vou escrever essa palavra penso em próstata) do Felipe. Relembrar posts antigos. Acho que a melhor escolha seria: operação no testículo esquerdo, o diário. Tem muita gente que lê o cab agora e que não pegou essa fase. Foi a fase de ouro, 40 visitas/dia. Em breve nos veremos!

segunda-feira, outubro 25, 2004

Como escrever

O Guto Galli, do Porpeta, comentou no meu post sobre a minha fase ruim: Olá Vitor, tudo bem? Puxa, estou meio assim a um tempo. E ando percebendo que tem muita gente assim, sem saber o que escrever nos blogs. O que anda acontecendo conosco, hein?

Leiam o Porpeta que o Guto é um cara muito legal. Parafraseando: "Esse cara é jóia". Puxações à parte, não é a falta do que escrever que está me enquadrando nessa fase improdutiva. Na verdade é pior do isso. É desanimador ter o que escrever, mas não o conseguir por pura inabilidade. Tenho muita coisa para contar aqui, muita mesmo. Mas na maioria das vezes elas não conseguem se ver no papel, por assim dizer. Eu tento, começo, desenvolvo e termino, mas tudo anda ficando uma bela m*rda! Algumas posto.
Adulto é um bicho foda!

domingo, outubro 24, 2004

E eu só pude escrever esse parágrafo inicial no meu caderno antes que essa fase de lona de caminhão me chegasse: "Começo a escrever aqui duma aula de literatura do curso pré-vestibular em Guaratinguetá, São Paulo, Brasil, Hemisfério-sul! Já vinha um tempo matutando a idéia de comprar esse caderno a fim de evitar a grande perda de pensamentos que me nascem para serem escritos"

sexta-feira, outubro 22, 2004

Tá foda!

Tá muito foda. Nunca mais eu escrevi algo decente. Puta merda! Eu que era o garoto cujo maior prazer era escrever porque ainda não tinha feito sexo. Não fiz sexo e agora não escrevo algo que presta faz tempo. Meus leitores/amigos/visitantes que o digam. Parece até que um dos meus eus, esse do qual estamos falando, morreu ou, torço para isso, está encoberto por uma lona grossa de caminhão, quatro vezes dobrada que pesa bem sobre ele. Muito mais peso do que ele seria capaz de levantar na sua melhor forma. E, às vezes, dá medo, pois parece que os ossos dele estão trincando e ele está gritando de dor tentando sair dali. Ele grita mais alto do que qualquer ouvido poderia suportar, mas não consegue sair e quando parece que a lona está se movendo de cima dele, acontece alguma coisa e ela cai pesada novamente sobre ele que suspira uma desistência de dar dó. Não sei se foi a muda nas companhias freqüentes, se é coisa dos astros ou kriptonita, mas uma coisa é evidentemente certa: ele está doido para rasgar essa bosta laranja de caminhão velho e muito usado, para correr, nadar, brincar, balançar, amar o mundo e suas coisas bobas novamente. Dar um mergulho na luz da vida-satisfatória será o seu primeiro ato. Assim que a lona o deixar. Agora, quem foi o filho da puta que colocou essa coisa em cima dele? Quer fazer o favor de ter o bom senso!
Eu preciso rearrumar a minha página de blogs.
Aí, o catarro verde voltou.

Mais

Tinha me esquecido, uma das mais belas, famosa e mais aplaudida frases do Vinícius: "A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida".

Mais uma coisa: Ele passeou muito por lá, é verdade, mas não cerquem o Vinícius no campo da Bossa Nova.

terça-feira, outubro 19, 2004

17 de outubro, aniversário da .

Vínicius de Moraes - 1913/1980 - nascido em 19 de outubroTerça-feira é aniversário do Vinícius, o poeta. A TV Cultura exibiu nessa noite que já se encerra, um belo ensaio geral da sua vida e obra, que eu não pude ver como gostaria pelo simples e chato motivo de não estar no clima, estar enxergando arte como se vê notícias em um jornal. Esses últimos dias têm sido raras as minhas penetrações no meu eu artístico, pareço/sinto-me morto.

O ensaio geral terminou com uma frase que eu acredito ter sido carregada da beleza sublime que as palavras voltadas em homenagem a um grande humano sempre têm. Acredito, pois eu só as vi mas não pude enxerga-las e ler. Meu irmão apareceu aqui na sala tirando fotos idiotas, fotos com flash do móvel novo que compramos. Esse ato, além de gerar raivas vitorianas, fez eu me perder em idéias que de tão bobas nem as lembro. Me senti um tanto mais morto.

Já havia preparado essa mesa para eu escrever: abajur, cadeira, caderno, lápis, apontador e borracha. Só não esperava estar escrevendo isso. Sempre quando ouço sobre música, sobre os nossos escritores e poetas, algo dessa forma, minha liberdade artística toma um red Bull e flui bem sobre os papéis, seja em prosa ou poesia. Às vezes essa habilidade artística só corre nos pensamentos e não produzem nada. Hoje, pela inspiração que esperava ter após assistir ao programa sobre o Vinícius, concluiria a minha paródia dos versos dele de Rosa de Hiroshima, tinha prometido esse trabalho para a Yara, presente de aniversário, e nada melhor que esse dia (17 de outubro) para fabricar o presente que já foi iniciado. As quatro primeiras duplas de versos estão assim:

Cidade de Hiroshima, Japão - 6 de Agosto, 1645Pensem no sorriso
Estúpido inválido
Pensem nos abismos
Todos mergulhados
Pensem nos rapazes
Mães descontroladas
Pensem nas mulheres
Como esposas pálidas


Depois, pulando alguns, eu já tenho uma outra dupla parodiada:

O líder com cirrose
O antilíder cúmplice


O meu objetivo, que me surgiu na criação, numa aula de literatura sobre o poeta, é generalizar a letra fazendo com que se encaixe sobre qualquer guerra e não especificamente sobre Hiroshima, espero conseguir fazer algo no mínimo bom. A palavra "sinfônica" me parece boa para ser aplicada na paródia; encaixá-la-ei. Mas será para quando eu retomar a minha liberdade artística. Ando preso em preocupações excessivas com a qualidade, opiniões, efeito e várias outras coisas frescas que não deixam que nada verdadeiramente artístico nasça, se movimente e flua de dentro de mim.

Sem você

Hoje é dia 19 de outrubro de 2004 e o nosso Vinícius estaria completando 91 anos. Lembro-me bem desse texto que fiz o ouvindo e me inspirando muito na poesia dele. O primeiro parágrafo foi escrito mais pelo próprio Vinícius mesmo do que por mim. Digo coisas que ele adorava dizer. As adoro repetir! Salve Vinícius, o nosso poeta!

segunda-feira, outubro 18, 2004

Escovei de novo não

Quando você já escovou os dentes, arrumou a cama para dormir e vai na cozinha só para o último gole d’água e encontra uma jarra de suco de beterraba com limão que você adora e nem sabia que tinha, se você bebe sem deixar o suco encostar nos dentes, passando direto a atingir a sua sede e desejo, você precisa escovar os dentes mais uma vez?

domingo, outubro 17, 2004

Eu amo a Flávia.

Cab voltando ao normal

Tinha posto aquele leiaute pronto da Blogger por causa da hpg não estar mais tornando visíveis os arquivos por lá hospedados. Só aparecem on-line as imagens que estão nas páginas hpg, blogspot está fora; olhem que desgraçados! Mas tudo bem... Problema resolvido e agora eu tenho um Geocities, onde as imagens estão hospedadas:
http://geocities.yahoo.com.br/vitorbustamante

sábado, outubro 16, 2004

Feliz dia dos professores, sora!

Quinta-feira foi dia dos professores e minha mãe é professora, das que trabalham com as primeiras séries. Aí está ela e a turminha no pátio do colégio particular. A nossa professora dá aula em duas escolas, uma estadual e recentemente está também educando a criança do colégio particular. Esse colégio, por iniciativa da psicóloga, preparou uma homenagem secreta aos mestres no dia deles. Falou com os alunos, os pais, tudo escondido. As surpresas foram vídeos muito engraçados com os alunos imitando os Queridos, flores, muito carinho e presentes.

A Érica é, da esquerda para a direita, a segunda criança =]Nos vídeos, a aluna que imitou a minha mãe foi cômica. Sentada na mesa, fez a chamada, acabando, ela pôs os óculos para ver de perto e passou de carteira em carteira corrigindo os trabalhinhos. Todos vistos, ela foi à mesa, pegou a caneta especial e: "Joãozinho, como você fez a tarefa bonitinha e acertou tudo, hoje o parabéns de ouro é seu!". Vocês têm que ver como eles disputam esse tal parabéns de ouro gravado em caneta dourada. Contam para ver quem tem mais e minha mãe, lógico, sempre dá uma ajuda para que esses números fiquem bem próximos e cada semana tenha o seu campeão dos parabéns de ouro.

Nos presentes, a sora Áurea, minha mãe, ganhou uma poesia que eu adorei. No começo, em casa, a menininha estava com dificuldades de criar, mas sua mãe lhe ajudou, sem fazer nada por ela. Disse para fazer uma lista com os adjetivos que ela daria a professora, ver quais são os com rima e em cima deles montar os versos. Ficou assim:

Tia Áurea

A minha professora é legal
E é também muito especial
Com todos é muito carinhosa
Até parece uma rosa
Ela é tão inteligente
Que até parece ser nossa parente
Tia Áurea é muito boazinha
Para mim é a super poderosa Lindinha

Érica

sexta-feira, outubro 15, 2004

Tema da redação: Heróis reais

Tinha redação para hoje? Próxima aula, já? Ah, vou fazer... Aula de geografia sempre me dá sono mesmo... E fiz correndo:

Herói por nós

A humanidade está carente de heróis, bons líderes. O triste é que parece que ela quer continuar assim.

Um herói é aquele que pensa e faz o que queríamos ter pensado e feito. Não há nenhum erro em admirar e aplaudir pessoas assim. O erro aparece quando colocamos essas pessoas que se destacam em nossa incapacidade de fazer alguma coisa. Acabamos substituindo a nossa luta, que visa nos dar possibilidades de fazer o que ainda não podemos, pelos nossos heróis.

Grandes o suficiente para fazer grandes feitos, os heróis deveriam ser fonte de esperança de que também podemos chegar aonde eles chegaram e não como pessoas que chegaram lá por nós. Deveríamos todos tentar ser heróis.

PS: Fiz correndo, ficou corrida, mas deu tempo!

As imagens sumiram

Resolvi dar umas férias para o layout já que as imagens assim estão. É bom porque o layout não fica sozinho aqui no cab, fica lá curtindo um cruzeiro com as safadas.

Obrigado ao Billy pelo aviso!

quarta-feira, outubro 13, 2004

Esses adultos

Pensam que nós, da quinta-série até antes de entrar na faculdade, temos vários casos, ficamos com alguém sempre que saímos e nos demoramos a voltar ou quando saímos com muita vontade de ir. Minha mãe por exemplo, acha que tenho um tal de caso com a Ana Paula. Mas só tenho amigas; tenho uma ex-namorada é verdade, e um primeiro beijo que não foi namorada. Só que isso é passado, isso foram casos, não há mais nenhum atualmente e até agora não houve outro. Então, se eu ganhasse um livro hoje, poderia ser chamado de Um Homem de Duas Mulheres.

Voltemos à Ana Paula. Fomos certa vez ao cinema da cidade, era para a Dani (Danizinha_Cheirooosa) ter ido também, mas ela apareceu, depois ficamos sabendo, no cinema da cidade errada, falha no convite. Passei a tarde toda com a Ana Paula, fomos no cinema duas vezes. Não, não houve nada, preconceituoso leitor (a) que acha que duas pessoas do sexo oposto não podem dividir uma sala de cinema sem se tocarem.

Sentados ali vendo os filmes, mergulhamos tão fundo nas histórias contadas que nem estávamos mais um ao lado do outro, estávamos individualmente jogados nos universos de se tornar ouvinte de curiosas fábulas e interessantes vidas fabulosas. O combinado era vermos Cazuza – o filme, mas a hora marcada para estarmos na porta do cinema era quase quatro horas antes da sessão. Cabia um filme e meio nesse intervalo. Decidimos ver um filme da Disney, infantil, a nossa boa única opção. Adoro filme de criança! Depois veríamos Cazuza. Mesmo com um filme inteiro posto no nosso tempo de espera, não foi o suficiente para suprir todo esse espaço de tempo. Esperamos também, um tempo sentados numa mesa, ela tomando refrigerante e eu uma bebida de mínimo teor alcoólico; conversamos inutildisses. Filmes vistos e muito bem vistos, mergulhos em mundos, fomos embora. Um beijo em cada rosto e até amanhã quando iríamos rir do infeliz engano municipal da nossa amiga Dani.
Mesmo tendo entrado duas vezes na contra-mão, eu estou dirigindo melhor. Não há mais problemas com a primeira marcha. Isso é muito bom!
Auto-pedofilia? Isso existe?

terça-feira, outubro 12, 2004

Ai que lindo!

Deve ser esse o tal filme. Foi o que eu acheiEstava vendo um programa sobre fotografar gente famosa ou gente com roupa de estilista famoso na multshow. Os fotógrafos estavam na porta do estúdio onde está/estava sendo gravado o filme "Camp" (atores estreantes) lá nos eua. Dos quatro atores que formavam o elenco principal, um deles estava com a namorada. A fotógrafa a qual o programa estava acompanhando cada passo de seu trabalho o chamou para uma conversa/entrevista a sós, para pôr na matéria de sua revista:

--Está namorando há pouco tempo, não é verdade?
--Pouco tempo...
--Você tem 20 anos, é jovem, não deve se prender.
--Não, Não! Devo sim. Devo sim.
--Deve? Mas por que? Você deveria estar experimentando, curtindo...
--Olha. O que é melhor: aos 20 anos você ficar com várias garotas, experimentando, ou aos vinte anos encontrar o amor da sua vida?

Puta merda! Puta merda!

Vitor: Daaaaaaaaannni!!!
Danizinha_Cheirooosa: OOOiiiiieeeeeeeeeee =P
Danizinha_Cheirooosa: nada febrinha, eu vc e a luana.....rs
Vitor: Minha amiga psicóloga, você não sabe o que acaba de me acontecer...
Vitor: A luana tambéM?
Vitor: ela nào está na minha lista...
Vitor: Fui levar a Ana Paula e tudo mais...
Danizinha_Cheirooosa: oq houve?

Vitor: cheguei lá na ruinha estreita dela e tinha um carro parado lá, não dava para passar. Tive que dar uma ré para ir voltando embora
(está demorando para enviar a mensagem...)
Vitor: dei a ré e fui fazendo o mesmo caminho ao contrário para ir embora
Danizinha_Cheirooosa: meu pc travou =(
Vitor: ok, o que importa é que agora ele está funcionando =]
Danizinha_Cheirooosa: tomara q continue...rs
Vitor: Quando estava quase chegando em rua que eu conheço, saindo da biboca da Ana Paula vinha vindo uma viatura da polícia
Danizinha_Cheirooosa: nussss.......
Vitor: Numa pista as mãos de duas-mãos são as da direita
Danizinha_Cheirooosa: biboca eh a piorrrr....hehehe
Vitor: hehehe =P

a viatura veio na da esquerda, onde eu estava seguindo, só não ficou certa nela, ficou atrevassada na rua a fechando, tive que parar óbvio e os guardas desceram do carro
Vitor: me olhando
Danizinha_Cheirooosa: putzzz
Vitor: (não fui estuprado)
Danizinha_Cheirooosa: ( q sorte heim!) rsrsrs
Vitor: +P

com o carro parado, acendi a luz interna e já fui pegar os documentos
Danizinha_Cheirooosa: oq fizeram com vc?

Vitor: Um dos guardas me chegou:
--Porque você está na contra-mão?
Vitor: continuou: "documento..."
Vitor: estava com o do carro e a minha carta, tudo certinho
Vitor: eu não fazia a mínima que ali era a contra-mão
Vitor: fiquei totalmente atordoado: "Maldita Ana Paula"
Danizinha_Cheirooosa: ow... q azar... 2h da manha encontrar dois guardas chatos!
mas qual rua era a q vc estava na contra mao?

Vitor: não explicar... Mas ali na Santa Rita, tem a rua da seanjunior, e um pouco antes tem uma rua de pedra, paralelepípedo

O guarda pega e me vira esse:
Vitor: Sua a carta é provisório, contra-mão é infração gravíssima, se te der essa multa você peder a carteira
Danizinha_Cheirooosa: nusssssssss
Vitor: A image dos meus pais apareceu subtamente na minha frente
Vitor: abaixei a cabeça, xinguei mais uma vez a Ana Paula e o que eu ia fazer?
Vitor: O guarda perguntou de onde eu era:
--Moro ali no manto azul, perto do magic park (ia falar jardim paraíba, mas pensei que o guarda ia ficar me vendo como boyzinho rico)
Danizinha_Cheirooosa: mata a bruxa quarta-feira! rsssss

verdade...nessas horas manto azul eh melhor...hehe

Vitor: perguntou de onde eu estava vindo e falei que tinha deixado uma amiga em casa e estava voltando
Vitor: ele perguntou onde era a casa e qual o caminho que eu tinha feito
Vitor: falei e ele:
--Pô, entrou duas vezes na contra mão!
Vitor: Nessa hora, se a Ana Paula estava bebendo água, ela engasgou só por causa da força do meu pensamento
Danizinha_Cheirooosa: huiahauiaiahaauai.....2 vezes??????
Vitor: é, entrei duas vezes, e nem me dei conta disso
Vitor: pronto... já vi tudo o que iria acontecer... tomar a multa, perder a carteira, eu contando pros meus pais
Vitor: já dexisti de haver uma mínima chance de não tomar a multa, nenhum pensamento positivo, só nuvens pretas
Danizinha_Cheirooosa: :-(
Vitor: e não é que eu dei sorte no final? O guarda falou várias vezes antes: "Vai perder a carteira..." "Vai perder a carteira..." eu de cabeça baixa, nocauteado
Vitor: pensando muitos "puta merda"
Vitor: mas o guarda disse: Você é daqui, vou quebrar o galho, dá ré e volta
Vitor: me devolveu os documentos, dei a ré e voltei pelas contra mãos que tinha vindo. Até achar uma rua que me desse certeza de mão certa e seguir até uma rua familiar
Vitor: consegui dirigir nervoso, isso foi bom; mas puta merda... até agora estou sentindo uma pulsação na cabeça
Danizinha_Cheirooosa: q sorteeeeee...... tadinho! perder a carta logo no começo seria mancada...
Danizinha_Cheirooosa: apesar do susto acabou tudo bem...rs =)
Vitor: é, eu nunca mais ia querer dirigir

sim, acabou bem. Agora eu vou olhar cinco vezes vericando a mão de qualquer rua estranha

domingo, outubro 10, 2004

Discretamente

Se lembram que eu ia comer batatas rufles? Comi-as. E de brinde, por sinal uma bela jogada de marketing, veio um torpedinho, digamos assim, para você mandar à sua paquera. Nele há um item que indica a ação (beijo, abraço, ou, acredite se quiser, apertadinha) e mais três itens, dentre eles dois "sins" diferenciados por intensidade com que a ação deverá ser executada ou local, e há um "sai pra lá!", ou seja, "não". Fica tudo oculto e só se vê os que são raspados (já comprou raspadinha na casa lotérica?) O primeiro, dos três itens de resposta, dois "sins" e um "não", que é raspado é o escolhido e o que deverá ser executado; os outros são raspados depois só para matar a curiosidade.

Bem... Como não tenho paquera, resolvi brincar com a minha melhor amiga, senta-se atrás de mim na aula, Valéria. Nós queríamos saber logo o que apareceria após a raspagem desvendadora. Brincamos! Pra mim a proposta foi a tal da esquisita "apertadinha". Ô, falta de idéia dos responsáveis pela criação do jogo! "Uma apertadinha? Ham?" pensei. "Vamos ver", escolhi uma das opções para raspar. E, olhem que legal!, ganhei uma apertadinha na orelha. Não é demais?

Vistas as outras opções que poderiam ter sido escolhidas: "no nariz" ou "sai pra lá", chegava a vez da Valéria. Saiu, o que fez o garoto que vos fala sorrir com olhar malicioso para a nossa menina, "Selinho"! Ah, como deveria ser aplicado esse selinho? De leve? Forte? Fiquei, com humor, sorrindo meio safado e não disse nada. Valéria pegou o papelzinho e após ler e achar graça, me disse: "Vamos ver...". A palavra "discreto" foi a que lemos! Selinho discreto. Nós, eu e Valéria, não transpassamos o limite da amizade. Olhei para a cara de "essa brincadeira não é séria" que ela fez e respondi: "Aqui na disse onde". "Você é tão especial, Vitinho", foi o que ela declarou. Peguei sua mão e a beijei, discretamente.

sexta-feira, outubro 08, 2004

"Vamos Manchar o Brasil"

Rei Momo - Temos esse álbum em vinil aqui em casaO VMB desse ano foi bem ruinzinho. Tá, foi horrível. O Selton Mello apresentando foi... Ele é um bom ator. As apresentações dos indicados não foram engraçadas. Piadas programadas e, além disso, mal executadas. A única indicação que me agradou foi para o melhor vídeo clip de rap. Foi MUITO boa! Fico fascinado ao ver os bons dançando break*, é impressionante. Fazem movimentos que a nossa Daiane dos Santos ou a nossa Daniele Hypolito nunca chegarão a fazer! Eu duvido!

A maioria dos shows foram bons, alguns reveladores, mas esse que vemos na foto, foi o fiasco da noite. Caetano e David Byrne ex-líder dos Talking Heads (um cara do kilate de Bob Dylan [nobel?], Dire Straits e por aí vai) tentaram duas vezes antes de conseguir tocar sem microfonias ou outras falhas técnicas. Foi vergonhoso. A gente recebe assim o cara, pô? Não pega mal apenas para a mtv, pega mal pra gente também, brasileiros. E Caetano que sempre fica puto com essas coisas, chilique de novo? Claro! Certíssimo. Pura falta de respeito falhar na montagem do som!

break*: O Hip-Hop tem três elementos básicos: a música que é o rap, a arte que é o grafite e a dança que é break.

Romantismo

Leiam, principalmente os meninos, isso.

Arrumando papéis...

...do meu quarto foi que eu achei isso. Não lembro de ter escrito e muito menos ter postado, mas estava nas minhas coisas, tem a minha letra e o meu raciocínio, é meu. Deveria estar em transe quando escrevi. Vamos ler:

Desejo a prosa líquida
Que toma a forma de onde é derramada
E que se derrama fogo
Em virgens corações

Para ficar líquido
Deve conter o que já pensei
Não posso pensar coisas que já tenham essa finalidade
A coisa boa surge sem querer

Se queremos algo que acontece
Ele não tem surpresa
Tem metade do que poderia ser
E é recoberto de ilusões

Não quero mais um
Mundo melhor para eu
Quero um eu melhor
para o mundo, mesmo que sem surpresa

terça-feira, outubro 05, 2004

No msn: Eu declaro!

Eu declaro, porque eu estou com muita vontade de declarar as coisas hoje, que 20h é o horário oficial do banho do dia. E que as Batatas Rufles que compramos na compra do mês e guardamos até então, devem ser comidas assistindo ao VMB 10 na MTV de banho tomado. Lembrando de cortar as unhas entre o banho e o VMB, pois já estão crescidas demais. Pode grudar uma Rufles embaixo delas ou o saquinho daquele molho estranho que eu nunca abro.
e eu pintei o kblo denovo de loiro, mas tá castanho claro
Eu recebi uma foto de uma menina hoje por e-mail, que está com menos roupa do que eu queria para poder mostrá-la a você, que tinha os cabelos lindos. Meus amigos me chamariam de viado por eu ter reparado no cabelo, devido a posição da moça, mas eu assumo que existe uma bicha grande dentro de mim... Enfim, ela era loira, e tinha várias mechas em Rosa bem claro, o loiro dela era bem claro também. Ficou muito show! Curti muito.


num vejo nada d+ em um menino falar dos kbelos.... mto pelo contrário: homem de verdade é aquele que diz o que sente e pensa
Nossa, agora eu me senti macho! Falando bem grave: Brigado, Yara! Au-au!

domingo, outubro 03, 2004

--Muito boa noite, moça interrompida! (tira o chapéu)
--Boa noite....
--O que tão formosa dama faz por esse canto da cidade? (leva o chapéu ao colo)
--Nada de mais e você?
--Digamos apenas que eu estou à procura... Está acompanhada? Pegue meu braço.
--hehehehehe. Que formalidade rs
--Digna de anos de ouro da humanidade, minha bela jovem.
--heheheheh
--Gosta de dançar? Poderia me acompanhar a um local de fina diversão?
--hehehehe
--Vamos, não se acanhe. Vai ser inesquecível, eu lhe prometo.
--huahuahuahua... ai ai...
--Ora, não faça charme... A Senhorita já tem muito e inteiramente encantador. Me acompanhe, vamos para ver estrelas.
--hehehehehe......
--Não fique vermelha. Entenderei tão gracioso riso como um "sim" puro e doce. O 'sim' que vem de você. Isso vamos.
(e saíram pela porta, estão na calçada da cidade)
O moço continua:
--Está vendo aquele senhor? Todos os dias ele bota o lixo na rua no mesmo horário. Saco pequeno, do mesmo supermercado e sempre com o mesmo nó. A mulher dele faz o nó e o manda levar à rua. Sempre na mesma lata, mesmo horário e o sol está todo dia no mesmo lugar.
--hehehehe ....
--Oh, não! Meu Deus! Não!
--??
--A bola está indo para a rua, o caminhão está vindo, a criança vai...!
(Dispara correndo e salva a criança deixando-a com a mãe muito agradecida, e sai do local voltando para a moça, buscando anonimato)
--huahuahuahuahua
A moça, estupefata, olha espantada para ele que responde:
--É aqui chegamos!
Cumprimenta o vigia da entrada que logo abre caminho para o novo casal e sorri malicioso para o nosso herói

Passando os dois pelo bar, ele pega uma Rosa que estava num vaso com água, arruma o cabelo cheio de brilhantina sem tirar os olhos que o tempo todo percorrem aquele fascinante rosto feminino. Faz o pianista parar a música e junta seu corpo ao da moça, num lapso!

À primeira piscada de olho do jovem, o pianista inicia. Um tango argentino que pega a moça de surpresa. Nos escuros do bar uma luz os ilumina, os dois em claridade destacados e o mundo na sobra, oculto. Eram somente eles. E o pianista. Mas a moça não sabia dançar tango argentino! Quem sabia?!

Ele a conduz, devagar no começo. Mas a música cresce, fica mais forte e rápida ao seu decorrer dos compassos... A Jovem é inteligente, aprende rápido e se vira bem. O jovem também, sabia conduzir como ninguém. Alguns o tinham como Bond. James Bond. Mas era muito jovem para Bond mesmo com a expressão na face carregada de total experiência com as mulheres, não enganava ter mais de 19 anos.

Ainda estão dançando. Em um dos três ápices da música, no segundo, a Rosa é trocada de boca. Passa da dele para a dela. Os lábios se tocam por um instante, tão leves que de longe não se pôde ver. O que não impediu da moça arrepiar-se inteira e quase derreter nos braços dele por falta de forças. Mas uma nota grave, forte, sólida a acorda que volta séria no passado firme da dança. Pareciam estar na maior e mais vívida boate de Buenos Airies. No terceiro ápice, a flor volta para quem a colheu do balcão e os lábios se raspam de propósito. As quatro pernas tremem, mas outro acorde no piano as chama de volta à dança forte! Os corpos cobertos de desejos vibram como as cordas do piano, junto delas; estão cada vez mais próximos... A flor é jogada num ato quase violento aos pés do pianista que se prepara para o compasso final da música crescente. Os braços percorrem as costas, o joelho feminino sobe raspando o homem, os olhos querem estar logo fechados para enxergarem as estrelas prometidas e ao sentirem a respiração um do outro, eles se fecham. E é como o surgimento do universo, uma explosão sonoramente afinada, luminosa e criadora que faz com que tudo gire ao redor onde não há tempo, distância ou exageros.
As línguas estão satisfeitas após a viagem sideral em sensações as quais não puderam ser sonhadas nem pelo mais erótico dos homens, nem pelas mais eróticas Deuzas.

-FIM-

comentário

"Visitantes oficiais de blogs não se vencem pelo cansaço. Depois de muitos cliques, vi todos os banners do template, rá. Todas as trinta e cinco, amiguinho: hipopótamo; topo de árvores 1 e 2; Mundo de Beckman; duas cabeças de patos; Friends; manobras de skate 1, 2 , 3 e 4; personagem de desenho (mangá?); reflexos em bolhas; menina prendendo o nariz no banho; close de um olho; paisagem gelada, menininho brincando com água; fotos dos continentes; gato/coelho (?) de game; garota com cabelos esvoaçantes; menininha vendo alguma coisa; campo com árvores; garoto com pânico e garota indiferente; close no rosto de uma garota 1 e 2 (uma loira e outra punk, acho); cidade à noite; homem entre os pés de alguém; paisagem com montes e um rio; moldura com os dedos; topo de montanha com neve; indivíduo com gesto de silêncio e corvo nos ombros; imagem macroscópica (?); veleiro no mar; anel no dedo indicador; uma par de raios atingindo duas casas; beijo no rosto entre um casal de crianças" Isa

sábado, outubro 02, 2004

Lendo o post do Branco Leoni, o de hoje, no qual ele fala que o título do texto não é dele, mas sim do Millôr Fernandes (Livre pensar é só pensar), eu lembrei que no meu post Quantos quentes corações, eu não falei que o título é um verso do Gonzaguinha. É! Não é meu não.

Eu acabei de ganhar uma estrelhinha para o link do ctrl+alt+blog no site do Brancão. Era assim: ele mudou de endereço e quem atualizasse o link dele, ganhava uma estrelinha. Eu tenho a minha.

Agora vamos falar do Lucão. Ele é um dos Quentes Corações que eu visitei em Roseira, o principal! O Lucas estava fazendo um comentário no meu fotolog sobre essa foto+texto que postei por lá. Mas o comentário foi crescendo, crescendo e excedeu o número de caracteres permitido. O Lucas deixou o texto crescer num lugar onde cabia tamanha amizade e poderia concluir todo o seu desenvolvimento. O resultado foi uma lindíssima e emocionantemente homenagem a mim. Eu o abracei aqui no coração após ler. Não tive, não pude, não consegui comentar nada no fotolog dele, onde teve vida o texto: http://www.fotolog.net/lucascaton/?pid=8879361.

Muito obrigado, Lucão. É sempre bom ficar assim desnorteado e sorrindo como estou agora, não encontro o que lhe dizer. Só posso dizer que para mim somos irmãos!

Livro com uma mão não dá

Ler segurando o livro com apenas uma das mão não dá. É como fazer sexo ativo sem ter as duas mãos na parceira, não dá. E uma mão escondida s...