Conversando

Na palestra, através de bilhete, com a Ritinha

Posso escrever ou vou te atrapalhar?
Vai não. Fala.
É que depois que rolou entre a gente, descobri que não gosto dele como menino, entendeu?
Você sabe o porquê ou é daquelas coisas que são apenas do coração e o cérebro não explica?
Não sei dizer, a primeira vez foi boa, mas depois não foi mais legal. Pode ser porque eu sou meio paranóia com essas coisas. Sei lá, gosto dele como um irmão.
Será que você não idealizou coisas que a realidade mostrou ser diferente? (as expectativas que nós criamos)
Pode ser... É que esse tipo de coisa me faz mal (já te disse) não sei porque, mas fazem. E principalmente por eu estar me sentindo uma traidora.
Por que se sente assim? Vamos ver, você pediu para que vocês tentassem para ver como seria. Ele resolveu experimentar mesmo que não sentisse na época o mesmo que você. E agora que vocês estão juntos parece que a situação se inverteu, ele está gostando e você está como ele estava. Isso?
Não sei dizer se ele está gostando. E não que eu não esteja, mas é que me sinto mal por saber que estou ficando por ficar e não porque eu gosto dele.
Ah, sim. Crises modernas de amantes a moda antiga como nós. Acredito que o ato/fato de “ficarmos” nos fere em muito nosso desejo real, os nossos sonhos; mas o quê você/temos a perder? Você não está com ninguém, tem um gatinho dando sopa, por que não dar uns beijos na boca e satisfazer um pouco os nossos hormônios? Às vezes, parece que nada está bom: se não estamos assim como você está, somos impotentes de atitudes e estamos mal por isso, e se o fazemos, estamos também mal. Se ele lhe pedisse namoro, o que sentiria/faria?
Não aceitaria porque não gosto dele. Você pode até me achar complicada, mas acho que já estou em outra.
Opa! Peraí. Tem outro gato na parada?
Cara, eu sou muito complicada nesse assunto. É eu acho que o, tem outro na parada.
Então você se sente enganando o gatinho por estar com ele mas querendo outro alguém. É, isso não é legal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bustamante

Texto que escrevi e li como orador dos formandos de 2008 do curso de Comunicação e MultiMeios da PUC/SP

Tema da redação: Heróis reais