sábado, abril 30, 2005

Multimeios

Oi, Vitor,

sou jornalista e estou fazendo uma reportagem para uma
publicação chamada Guia das Profissões (concorrente do
Guia do Estudante, da Editora Abril). No Guia, em cada
uma das profissões, damos espaço para alguém da área
falar sobre a carreira que escolheu. Encontrei você
pelo seu blog e gostaria que você me falasse um
pouquinho sobre 1- porque decidiu cursar comunicação
em multimeios 2- como está pra você o mercado de
trabalho hoje 3- o que você espera da profissão quando
se formar.

Gostaria também de uma foto sua para divulgação, nome
e idade. Será que você topa? Por favor, me escreva ou
me ligue: andressa@email ou 11 | 3xxx.xxxx
Um abraço,

Andressa Rovani





Olá, Andressa!


Um amigo que cursava multimeios me falou do curso por eu ter escrito um texto em meu blog que puxava muito o raciocínio das aulas que ele estava tendo. Como não conhecia, entrei no site da PUC e fui ver o que era esse tal do Comunicação Social com Habilitação em Multimeios. Foi amor a primeira vista. Há muito tempo tenho o meu blog e nele trabalho o html, o visual (usando o fotoxópe para isso) e, o que mais gosto: escrevo. Fora isso que eu já usava diariamente como comunicação, os outros aspectos do curso não usados por mim, eram todos dentro de um gosto pessoal, por assim dizer. Sempre reparava o lado técnico de um filme, iluminação, roteiro, montagem de cena e vai por aí, a produção editorial de uma revista, a da mtv por exemplo (despertava-me o interesse de um dia lidar com aquilo profissionalmente). Vinhetas de televisão, animação... sempre gostei de pensar a produção dessas coisas quando as via. Há ainda, o lado filosófico do curso. E como não podia ser melhor, adoro filosofia (quando as entendo, lógico). No colegial fora uma das minhas matérias preferidas e que realmente ensinava algo para ser usado e me construía como ser humano, julgava eu.

Ainda estou no primeiro ano e não tenho muita visão de mercado. Mas sei que é algo que está crescendo nesses últimos anos. O profissional de multimeios ganhará muito espaço, principalmente, em novas tecnologias tais como a TV Digital onde há grande interação entre telespectador e o que é exibido; as interfaces de celulares também buscarão profissionais de multimeios e sobre tudo a internet que migrará para outros meios. De que maneira seria mais bem produzida uma página para aparecer na tela que terá a porta da sua geladeira? Ou então, como deverá ser articulado um site de aprendizado à distância? Como montar uma página para aparecer no telão de um aeroporto dizendo os horários dos vôos e faze-la dialogar com os sites das aviações? As possibilidades são infinitas.

Estando formado, espero ter uma visão muito mais consciente do que é esse mundo onde a informação tornou-se o maior bem, de como molda-la para melhor circular e ter fácil acesso e compreensão. Espero ainda poder ter um trabalho fora do convencional: operário e fábrica, chefe e empregado; podendo trabalhar de casa através de meios de comunicação ou de qualquer lugar do mundo. Hoje, o que é profissional e o que se produz não fica dentro dos limites de um país, a globalização está mais viva do que nunca e, querendo ou não, estamos dentro dela.

É isso! Esteja à vontade para padronizar meu texto de acordo com o Guia. E me mande outro e-mail pedindo a minha foto (estarei em casa e a terei na hd do micro pra te mandar) e também se quiser que eu reformule alguma parte por ter entendido errado algum dos itens 1, 2 e 3 que me questionou.

É com orgulho que respondo pelo meu curso

sexta-feira, abril 22, 2005

Patins

BackSlide

Mas que saudade que me deu agora de quando eu fazia coisas assim de patins! De quando a minha casa não era reformada e botava o corrimão ali, onde a foto mostra. Agora esse espaço nem existe mais; mas, em contra-peso, a casa ficou bem mais bonita. É... Deu pra curtir bastante. Saudade!

quinta-feira, abril 21, 2005

Vitor, Você está no clima

Acho que o que atrai bastante o adolescente para o lado alternativo de todas as coisas são a sua pouca usualidade. Uma coisa que é pouco usada é sempre mais legal, é sempre algo novo para muitos. Vide o oposto: "amigo é coisa para se guardar" do Milton Nascimento

Algo que só você conhece, lhe dá a sensação do poder. De saber algo que o outro não sabe. Estar superior.

Quando você troca uma mercadoria com alguém, você transferiu o objeto. Mas quando você troca informação, as duas pessoas a tem.

Eu não gosto de balada. Primeiro que não tem conversa e eu não consigo me comunicar/expressar através da dança. Pelo simples motivo de eu não saber dançar (algo que aprecio e por causa disso tenho, às vezes, raiva de não saber). Segundo que eu não tenho nenhuma sensibilidade para música eletrônica. E quando isso acontece, eu fico perdido e deixo de ser uma pessoa.

Uma barreira! Barro
É incrível a barreira que tem.
Agora que eu parei para perceber a barreira que eu ponho entre mim e os artistas e há um paradoxo muito curioso nisso tudo porque. Porque as músicas, as tardes... você se funde as elas, você se soma numa coisa só, é mais que proximidade, é você o próprio, se transforma na letra. Está entendendo? E o artista não é pensado como pessoa, mas como celebridade, vive em um mundo distante quase inalcançável.

Post que eu consegui escrever sem preocupações, graças a deus com d minúsculo. E que eu escrevi ouvindo Gonzaguinha com G maiúsculo. Não compara nada a Deus? Não se usa o nome Dele pelo simples prazer de fazer um drama um quanto tanto patético. Transforma-se a expressão que clama o divino em mera e reles expressão. E nome de gente a gente deixa intacto, primeira maiúscula.

Tem poesia que você não compreende mesmo ou até consegue compreender, mas gostar já é outra coisa. Que você só gosta e compreende quando você está no clima. Os livros também são assim. Mas sempre existem aquelas poesias, aqueles livros que são mágicos e fazem que você entre no clima deles e os entendam e os adorem.

Eu se fosse mulher. Pensando, meu pinto não é pequeno. Eu teria peitos grandes.

Mas professor, !@#@#$@#$@#%#$
Exitem homens e ratos no mundo
mas você está sendo um animal
se há animais nessa sala, eu sou o gato e você continua sendo o rato
A galera vibra, algazarra! Mas o aluno não se intimida:
Sim. Eu sou o Jerry e você é o Tom

Tão bonito
Uns versos me pus a escrever
Você
aqui
em mim
vivendo me faz renascer
Pois é
um dia
vou me revelar pra você

Agora não há mais as músicas que a maioria curte e todos sabem cantar toda a letra. Antigamente tinha kid abelha por exemplo bobo, todas as gerações cantam suas músicas. A informação dinâmica, dividiu em vários grupos os jovens que ouvem música. Tem o grupo do rock, do pagode, da mpb, pop... e o mundo inteiro é assim. Isso faz pensar que com essa facilidade de conhecer as coisas e de criar, a globalização não contribuiu para separar as pessoas oferecendo só o que elas gostam. Apenas mostrou que os grupos separados existiam.

Confundir, Aurélio:
[Do lat. confundere.]
V. t. d.
1. Misturar desordenadamente; baralhar
2. Não distinguir (pessoas, coisas, etc.)
3. Embaraçar, enlear; envergonhar; humilhar; vexar
4. Fundir juntamente, ou de mistura.
V. t. d. e i.
5. Reunir sem ordem; misturar
6. Não estabelecer distinção, não distinguir, entre (pessoas ou coisas)
V. p.
7. Misturar-se; reunir-se
8. Perturbar-se, equivocar-se

Falta de energia

As fontes estão se esgotando. Como fazem falta e deixam surgir em mim um enorme vazio, como fazem falta as aulas do Dujô, as aulas de literatura fascinantes do Dujô. Elas me faziam viajar, me alimentavam, geravam pensamentos produtivos, me davam paz, diversão, prazer.

Como me faz falta os trabalhos de escola, as redações para entregar, as mínimas notas para tirar. Os comentários do novo episódio do desenho animado.

Como fazem falta amigos perto de casa, a filosofia inconsciente que desenhávamos na rua correndo atrás de uma bola. Sabíamos não saber e não pensar na mais catastrófica invenção do homem: o tempo. Porque nenhum momento tinha de ser classificado, nada catalogado, as coisas boas simplesmente existiam e corriam atrás de uma bola. E nos fazia botar o pé nesse chão.

quinta-feira, abril 14, 2005

Curiosidades faculdativas, explicações e conversa


Turma da Faculdade
Originally uploaded by Vitor.
A foto chamou a atenção, óbvio. Vamos falar dela primeiro. Temos aí algumas das pessoas lá da puc. Do meu pessoal de multimeios. Clicka nela e vá ao fotolog para ler o nome de cada um e ver a imagem num tamanho enxergável. É uma pena essa foto ser com tão pouca gente, pois são tantos os novos amigos... E pessoas já muito especiais ficaram de fora. Tudo bem. Possibilidades fotográficas de registrar imagens de amigos para no futuro pôr meu filho no colo e mostrar-lhe quem eram e quão malucas eram essas pessoas não faltaram. Mostrar para o guri a menina por quem eu era apaixonado, namorei e falar para ele não contar nada a mãe dele que eu estava falando daquele tempo porque ela morre de ciúmes da "tal da faculdade", como define. Ah, delírios.

Sou eu atualmente uma pessoa sem internet. Há um laptop na república, mas nem linha telefônica nós temos ainda. Por isso fica o cab tão raramente atualizado nesses tempos de agora. Queria poder cuidar mais daqui e também ler sempre os blogs amigos. Difícil. Muitas das vezes uso a internet das aulas da faculdade (não dá para ficar curtindo o cyberespaço sem o professor reparar que você está num mundo que não é o da aula dele) e na puc só há poucos laboratórios que permitem entrar aqui na blogger.com para postar. Mais uma barreira. Hoje esse laboratório, 34-2, está sem aula e estou aqui. Tive que vir antes para enviar um trabalho pela internet para a aula de Desenvolvimento da Informática. Mais uma resenha para o Professor Milton Peregrine. Para mim que só tenho o laptop que o Cristian (agradeço muito a ele) me empresta e não tenho internet e nem impressora, é ótimo não ter que imprimir trabalhos, mas sim envia-los pela internet. Assim não preciso ir até a xerox de letras e imprimir a quinze centavos cada folha sem imagem.

É bastante provável que eu não volte novamente esse final de semana para Aparecida. Vai ser o terceiro final de semana consecutivo passado em São Paulo. Saudade. Quando eu chegar, vão dizer que meu cabelo raspado no trote do começo das aulas cresceu mais. Minha mãe vai me apertar. Darei um abraço no meu irmão. Reclamarão se eu antes ficar parado na porta conversando sem me aproximar para os carinhos. Verei se o último peixe do aquário ainda está vivo. O Da Lua, nosso cachorro, como estará? Mais velho, mais gagá? Soube que ele foi ao veterinário ver algo na pata. Nada grave; lhe valeu o passeio. Meu pai! Irei para Aparecida junto com ele? Ele está em São Paulo esses tempos. Hoje é aniversário dele.

Vou vê-lo mais à noite, no hotel em que está. Os amigos do trabalho resolveram comemorar fazendo uma festa para ele. Aquela coisa de humanos, comida, líquidos e bate-papo. Nada melhor. Talvez minha tia Mônica vá também, quem sabe... Não é uma festa surpresa, pois foi meu pai mesmo quem me chamou. Não comprei nada para ele. Sei que nem precisa. Mas ninguém tem vontade de chegar com as mãos vazias num aniversário; ainda mais de alguém especialmente especial assim. Levarei todo o meu amor, carinho e admiração. Espero não me desequilibrar com essas três coisas no caminho, pois elas são muito grandes e é difícil para um magrelo carregar coisas muito grandes por aí, pegar ônibus, metrô e tudo mais.

Agora eu vou almoçar. Ou melhor, bandejar! Ontem o bandejão aqui da puc foi de comida muito boa. Uma carne assada excelente, arroz cheio de coisinhas tipo risoto ou tipo à grega. Teve um bom suco, gelatina de sobremesa. Feijão e faria teve também, como sempre. O preço é 5,40 do bandejão. E querem aumentar, é foda! Estudante devia pagar meia, não há dúvida! Devia mesmo.

Parabéns para o meu pai! O começo de mim. Sabe quando a gente começa a existir? É antes mesmo de nossa mãe engravidar. Eu vi isso numa revista de psicologia. O ser humano começa a existir na imaginação de seus pais. Interessante, não? Leiam isso também.

segunda-feira, abril 11, 2005

Testículos a 2cm do chão!

Puta merda 1, que legal! Puta merda 2, vai ser puxa-saco assim lá... Brincadeira, Lucão. Fico muito grato, contente, tocado... (silêncio) Ham... (pensa direito) Tocado não; emocionado com a homenagem ao cab. E não porque ele é meu filho, nem porque há blogs horríveis com comunidades próprias e etc; o ctrl+alt+blog merecia mesmo um espaçozinho na web para ele saber quem o visita e para que essas pessoas pudessem se reunir. Estou tendo umas surpresas ótimas com o aparecimento de amigos lá. Pessoas que não imaginava visitarem o cab. Ou pessoas que eu não imaginava ainda aparecerem por aqui.

Grandissíssimo abraço em todos vocês!

terça-feira, abril 05, 2005

Primo,

Obrigada pelo slideshow! Adorei! Assim não vou mais lhe amedrontar com a possibilidade de desaparecimento destas fotos...rsrsrsrs E aquela camisetinha do Heman? rsrsrs e o pior é que eu me lembro dela. Saiba que guardo muitas lembranças boas desta época, dos passeios com a "tia", das viagens ao apto de Sampa (onde as fotos ficavam), do carinho do "tio". Um "super-hiper-mega-tander" beijo para você. E muitas realizações nesta empreitada de estar encarando uma vida nova!

Cecília


***

Só tenho a dizer que te amo, minha prima que foi na verdade a irmã poucos anos mais velha que eu nunca tive! Beijinhos, cajuzinhos e brigadeirinhos!

Vi

Mais uma do Flickr.com


Vitor, 4 anos
Foto por Geraldo Gomes.
Então, assim parece e assim o é! Estou mesmo como uma criança que ganha um brinquedo novo e não pára de fuçar nele. No caso, é esse sistema de postagem de fotos, flickr. Como esse post não é um texto saudosista, não ficarei aqui a relembrar as sensações de infância, todo o contexto maravilhoso que me envolvia aquela época! Em que eu tinha a imensa felicidade que provocava um brinquedo novo - fosse uma bola ou um videogame. A criança aí ao lado sou eu. Nem parece, não é mesmo? Essa foto faz parte de um grupo de quatro fotos minhas nos meus 4 anos de idade e que têm esse mesmo estilo. Foram tiradas por um fotógrafo primo do meu pai. Esse mesmo fotógrafo, Geraldo Luis Gomes, que fez as fotos do álbum ao-vivo do Cazuza, O Tempo não Pára - com exceção da capa (contracapa e envelope são preenchidos com fotos que ele tirou). Curiosidades interessantes, não? Tudo o que sei sobre o paradeiro desse primo do meu pai é que ele virou Hare Krishna e se mudou para Goiás, se não me engano. Faz mais de 10 que não temos notícias dele. Quem agora me lê deve estar se perguntando qual é essa mais da Flickr que eu indiquei no título a cima. Bem, a primeira, a do post passado, foi escrever na imagem; a outra, a de agora, é a possibilidades de criar slideshow das suas fotos. Uma apresentação em Flash de todas as suas fotos ou de uma seleção delas. Essas minha fotos tiradas pelo fotógrafo primo do meu pai são de muito agrado a uma prima queridíssima minha, Cecília. Ela, toda vez que as vê no meu quarto, fala para minha mãe: "Tia, quando você não quiser mais essas fotos do seu filhote, as dê para mim". Resumindo, se algum dia elas sumirem daqui de casa, já sei quem as pegou. Foi por causa dessa prima que eu resolvi scanea-las e montar um slideshow especial dedicado a Cecília. E ainda contendo uma super foto de brinde que sou eu bebê na praia com um poderoso boné e minha hiper-tander camiseta do Heman. Deixo aqui um super-hiper-mega-tander beijo na Cecília e peço para vocês clicarem na imagem e verem o slide que fiz com tanto carinho.

sábado, abril 02, 2005

Flickr.com

Esse é o meu post pela Flickr.com interagido com a Blogger.com. O primeiro hospeda as imagens dos posts (a primeira é essa do meu aquário) e o segundo hospeda desde sempre o blog, os posts. Vale lembrar que as imagens do leiaute estão hospedadas pela geocities. Tenho que agradecer a todos pelo serviço gratuito.

Coloquei lá no meu flickr (lê-se fliker) algumas imagens; todas de minha autoria, de meu apertar de botão (ou, no caso das que estou longe, programei para bater sozinha em 10 segundos). E tem esse tal de Flickr.com tem uma ferramenta muito legal, a qual eu usei bastante nessa imagem do aquário (clicka nela para ver). Você pode pôr notas nas partes da imagem que você selecionar, é genial. Postar na imagem. Vale conferir. Outra coisa que devo aqui nessas linhas dizer é que agora essa minha página na Flickr.com é o ctrl+alt+fotolog de hoje em dia. Tem fotinhas minha lá. Quer ver quem é esse moleque que aqui fala, curiosa(o)? Clicka aqui. Bem, pessoal... É bom falar aqui com vocês dessa forma. Só posts do estilo narrativo cansam, não é mesmo? Beijos nas meninas e aperto de mão nos garotos que por aqui aparecem. Até!
...E os sinos da católica cidade de Aparecida nunca badalaram tão tristemente...

Livro com uma mão não dá

Ler segurando o livro com apenas uma das mão não dá. É como fazer sexo ativo sem ter as duas mãos na parceira, não dá. E uma mão escondida s...