terça-feira, abril 29, 2008

O mestre

Paulinho da Viola (bebadosamba):

"Um mestre do verso, de olhar destemido,
disse uma vez, com certa ironia:
“Se lágrima fosse de pedra
eu choraria”
Mas eu, Boca, como sempre perdido
Bêbado de sambas e tantos sonhos
Choro a lágrima comum,
Que todos choram
Embora não tenha, nessas horas,
Saudade do passado, remorso
Ou mágoas menores
Meu choro, Boca,
Dolente, por questão de estilo,
É chula quase raiada
Solo espontâneo e rude
De um samba nunca terminado
Um rio de murmúrios da memória
De meus olhos, e quando aflora
Serve, antes de tudo,
Para aliviar o peso das palavras
Que ninguém é de pedra"

segunda-feira, abril 28, 2008

Minha amiga chorou.

Eu também choraria se um dia constatasse que a vida pode ser não mais que uma preciosa pedra, que a gente lapida a cada dia e nem por isso perde a sua dura característica... e fica de vez em quando no caminho, nos fazendo escolher entre tropeçar e carregá-la nas mãos. Escolhemos carregar e carregá-la pesa, mas deixa 'preciosidade' com a gente, ao menos naquele momento... Aí eu sentiria dor, porque, contudo, a vida passa, a pedra é pó reunido e pode voltar a ser apenas pó. E, depois dessa outra constatação, quereria somente ser a vida que é a pedra de pó reunido e receber tudo o que já dei; naquele único momento, ser também um pouco lapidada, carregada, ser por tudo amada, mas estando estática, como é uma pedra. Porém isso não aconteceria e eu ficaria como uma pedra de aquário sabendo que por ali passam peixes que nunca me tocarão, aí eu choraria até transbordar um pouco a água das paredes de vidro.

sexta-feira, abril 25, 2008

"Se faço sombra em meu caminho, é porque há uma lâmpada em mim que ainda não foi acesa"
Rabindranath Tagore
"que tudo seja leve
de tal forma
que o tempo nunca leve"
Alice Ruiz
"Das colheitas dadivosas
que Deus deixa nos caminhos,
uns curvam-se e colhem rosas,
e outros colhem os espinhos..."
(Ademar Macedo - Natal/RN)

domingo, abril 20, 2008

terça-feira, abril 15, 2008

Era uma família


bar code, upload feito originalmente por wild goose chase.

Era uma família de um pai, uma mãe, dois filhos e um cachorro.

Amar você, Coração, me transforma, me reforma, me dá a forma que sempre quis ter e a tenho querendo ostê!

sexta-feira, abril 11, 2008

Tendo você em amor, meu coração,
posso suportar as dores do mundo.

Engraçado como as coisas acontecem

Tenho um amigo chamado Rodrigo Rosa, que é um dos jovens mais ativos na promoção do bem em São Paulo com quem pude estabelecer um vínculo nesses meus três anos morando aqui. Algumas vezes ele escreve textos e envia por e-mail. Adoro-os! São ótimos... Comentei com ele que gosto de seus texto e ele retribuiu meu comentário presenteando-me com um poema (também de sua autoria). Após isso me senti inteiramente voltado a lhe enviar um texto meu e transformar essa pequena troca de mensagens em um diálogo mesmo. Lembrei do texto Às vezes, comprar a passagem pode ser o melhor da viagem e achei que era o mais interessante para lhe enviar. O curioso é o texto está com exatamente 1 ano de vida! Faz aniversário! 10 de Abril! Achei isso de uma força motivadora. E resolvi colocar tudo aqui como estou fazendo para ficar também uma homenagem ao blog. Fica novamente o texto para que se possa ler e dessa vez dedicado a ele! Um grande abraço no Rodrigo, Rodriguinho!


O Antonio Afonso foi comigo até a esquina. Despedimo-nos e entrei no metrô São Joaquim. Em pouco tempo estava no Tietê. Era quinta-feira da Semana Santa. Quando cheguei na rodoviária e parei um pouco para olhá-la, ver que, na verdade, a rodoviária são as pessoas em movimento e não o prédio estático, deslizei os polegares pelas alças da mochila que carregara o dia todo. Estampada em meu rosto estava a frase "Ir pra casa". Na covinha da minha bochecha estava a palavra "satisfação" disputando um pouco daquele espaço com a palavra "enfim". Até que eu vi que uma não anulava a outra e assim meu sorriso aumentou, a covinha também e as duas com espaço puderam ali dançar uma música em homenagem a harmonia.

Pensando que "enfim" nascia do desejo de chegar e que "satisfação" nascia de onde já se estava, andei até a fila do guichê para comprar minha passagem. Havia mais duas filas a minha direita e, em cada uma delas, uma mãe e, em cada mãe, duas pernas e, em cada par de pernas, uma filha que segurava a calça adulta com seus dedinhos pequeninos. Meus polegares novamente pelas alças da mochila deslizavam. Olhei para a primeira menina, que estava bem ao meu lado. Ela me olhou séria. Voltei. Olhei de novo com o meu sorriso estrelado por minha covinha. Pareceu que algum brilho refletiu no rosto dela e ela me sorriu. Segurando o sorriso, olhei para a frente como quem está fazendo arte. Estava na minha fila. Percebi a segunda menina me olhando. Um sorriso em mim, um sorriso nela. Cúmplices de um sorrir. As mães olhavam só para a frente, estavam em suas filas com o dinheiro na mão. Coisa de adulto. Eu, quando estava olhando para frente e com a carteira na mão, era só uma criança brincando de gente séria. Fazia isso para fazer graça com as duas. Comprar a passagem era o que menos tinha a minha atenção naquele momento.

Eu “sério”, virar o rosto de repente e pegá-las me olhando em flagrante. Ou, elas me pegando em flagrante, eu virar o rosto de repente e fingir estar sério continuando o meu caminho reto. A brincadeira deu a nós três um tempo totalmente diferente do que era o tempo para as outras pessoas nas filas, do que era o tempo que corria no grande ponteiro dos segundos no grande e pesado relógio da rodoviária. Um em cada fila estávamos todos num mesmo lugar e nele vivíamos intensamente. Conversando horas só com os olhos. Longos papos plenos e profundos. Nossos espíritos usando os nossos corpos. Como éramos grandes e leves ali.

Cada um havia chegado vindos de um lugar diferente e diferentes eram os destinos escritos nas passagens, diferente seriam os ônibus, os motoristas que nos levariam a diferentes locais, mas naquele momento era tudo um um. A união nas diferenças. Diferenciar e unir. Não dividir e misturar! Que força éramos nós três! Uma força única habitanto três pessoas naquele momento.

A menina que vi primeiro foi embora primeiro. Saiu quando eu estava sério com carteira na mão e quando a vi já estava de costas, ela saltitava feliz de mãos dadas a mãe, que não presenciara o nosso segredo. Aqueles pulinhos da alegria da menina eram fogozinhos de artifício que raiavam o meu coração iluminado. Trazer para a felicidade. A segunda menina eu não perdi de vista na despedida. Muito preocupada em manter o segredo, demorou um pouco para responder o tchau com a mão que havia lhe dado. Quando viu que ninguém estava olhando, com uma carinha tímida em seu um metro de altura, disfarçando, me respondeu com a mãozinha mais graciosa que já vi em uma criança. Aqueles cinco dedinhos apontavam para o que há de melhor no mundo, eram os raios de um círculo perfeito chamado amor e me entregavam o maior presente de todos mostrado a mim na palma daquela mão: a vida. Aquelas duas na quinta-feira... Saltinhos e dedinhos! Foi a coisa mais linda.

segunda-feira, abril 07, 2008

Fernando Pessoa


Fernando Pessoa/Alberto Caeiro, upload feito originalmente por catb.

E ainda deixo mais um trecho, de outro poema, outro heterônimo:

"Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada"
Fernando Pessoa

domingo, abril 06, 2008

Citado pelo meu amor

Nos comentários, Ju(liana):
"Todos os artistas têm em comum a experiência da distância insondável que existe entre a obra de suas mãos, por conseguida que seja, e a perfeição fulgurante da beleza percebida no fervor do momento criativo: o que conseguem expressar no que pintam, esculpem ou criam é só um tênue reflexo do esplendor que durante uns instantes brilhou ante os olhos de seu espírito." [Papa João Paulo II]

sexta-feira, abril 04, 2008

mammoth plains


mammoth plains, upload feito originalmente por whickus.

quarta-feira, abril 02, 2008

Assim


Civil war, upload feito originalmente por Descriptimage.

Inúmeras vezes nos sentimos assim!
Ora como o terceiro
Ora como o segundo
Ora como o primeiro passarinho
Sempre passa...

Livro com uma mão não dá

Ler segurando o livro com apenas uma das mão não dá. É como fazer sexo ativo sem ter as duas mãos na parceira, não dá. E uma mão escondida s...