quinta-feira, outubro 23, 2008

Um pedido


Dancing Queen, upload feito originalmente por skarpi.

Se tenho a possibilidade de fazer um pedido a cada momento, no momento de agora, eu pediria de todo o coração, de todas as batidas que ele dá e me alimenta, para que eu não deixe esse planeta sem antes ter visto os traços da deusa que em nosso céu se chama aurora.

quarta-feira, outubro 22, 2008

É preciso escrever o que eu senti...


Quinta Ninféia-Flor na Chuva, upload feito originalmente por Massao.

Ontem chovia e era verão. Eu tinha saído de uma piscina de São Paulo onde muitos nadam. Um ambiente fechado por vidros e, por entre eles, se vê um lindo jardim. Um chão de madeira, um lugar para tomar sol. Algumas duchas, mas estava chovendo e estava calor mas estava chovendo e parecia que só isso estava naquele momento - como um milagre quando enxergamos. Sai da piscina sabendo que não nadaria mais naquele dia. Já havia nadado o que fora nadar. Via a chuva cair de longe e tudo o que queria era ir lá perto e ficar olhando. Caminhei até ela, até o vidro e a vi. E fiquei bem pertinho a olhar tudo aquilo. O vidro embaçou um pouco com o calor que saía da minha boca, as minhas mãos na barra de contenção - como no balé. Cada pingo que caia naquela tarde iluminada era como se pingasse na minha alma esparramada pois essa se estendia mesmo esparramada mansamente por tudo o que eu via e tudo o que eu era, tudo era eu. As plantas regadas no belo jardim, o chão de madeira... Até que meu olhar encontrou parte de uma casa e, nessa casa, uma janela de madeira pintada de verde aberta, a parte de vidro fechada como fazemos quando chove no meio da tarde para ficarmos olhando. Logo a cima estava o telhado com a calha, tudo pintado, tudo cuidado, a parede branca, tudo feito. Eu fiquei uns bons minutos olhando para aquilo e como foram bons! Era como estar de novo em casa - mas um estar em casa que ultrapassa territórios, que é muito mais; um estar em casa que algumas músicas conseguem. Ouço Djavan para escrever e reviver tudo isso que compartilho. Era a sensação que se  quer viver para sempre. Eu podia me ver na casa, aliás eu estava nela mais do que aquela imagem. É uma casa que ultrapassa territórios, geografias, físico. Podia ver o quarto daquela janela, um livro de romance lindo sendo lido no momento, tudo feito, nada para fazer além daquilo, uma satisfação de férias boas e chuva. Chuva, chuva, chuva de verão que me lavou e fez memorar o dia. Eu me reconhecia em tudo, senti! Senti! Nada faltava pois era um estar em casa que transcende até a mim mesmo - contudo, eu nunca morei numa casa com janelas assim em um sobrado sem sacada, e são as que mais me faz sentir em casa – uma casa que tem escada e nenhuma casa que morei teve escadas. As janelas abrem para os lados, os vidros sobem ou descem. São pintadas de verde com tinta simples e bem cuidada. É um bom lugar para livros, para passar a tarde, para se viver, se estar. Não falta nada... E, à noite, ao dormir, a chuva de verão já passou e quem banha a casa é a luz do luar e brilhos de estrelas, poucas horas antes – e o que são horas nesse lugar? – as nuvens se abriram e, pouco depois, as janelas se recolheram. As janelas daqueles que harmonizam dentro da casa as suas vidas com a vida da casa e de seus sonhos à noite e não se põem a ver a diferença entre essas coisas belas, apenas sentem partes de um todo e sentir é o que completa a tudo e mantém as almas esparramadas pelas superfícies. Nada precisa mais ser feito, tudo o que é feito é feito sem precisar; pelo simples fato de fazê-lo se faz... Que sejam uns bolinhos de chuva, um pano que limpa a mesa e outros móveis, que seja a chuva que chove quando chove e não se preocupa se é preciso ou não pois... Tudo está em harmonia. O instante durará para sempre e aos poucos me mostra o real significado do que é estar em casa.

segunda-feira, outubro 20, 2008

Sobre a crise

"O colapso do poder leva à ondas de turbulência que causam um vácuo tenso, o qual leva a um novo saber"
Einstein e um espírito que lhe inspirou

2.5 Dimensões


2.5 Dimensions
Upload feito originalmente por guyonabus
Dá para fazer coisas muito belas nas duas dimensões e meia, quiçá aqui em três dimensões onde vivemos... Quais sejam os números das dimensões, não importa, uma coisa ultrapassa todas elas e todos vamos atrás. Aquilo que não se enquadra em nenhuma somatização de planos, tempo... O que for! E está nas fotos, está nas músicas, está no evangelho, está a cor. Está no poeta, na namorada e na flor. Aquilo que chama e traz a rima que anima e reanima a nossa dor.

Palette Nature


Palette Nature, upload feito originalmente por Philippe Sainte-Laudy.

quarta-feira, outubro 08, 2008

“O importante é que a nossa emoção sobreviva”


Graduation, upload feito originalmente por Nilton Ramos Quoirin.

A frase título é de Eduardo Gudin e Paulo César Pinheiro. Aqui segue um pequeno texto que sugeri para se colocar no convite da minha formatura:

Um momento importantíssimo para cada um nós, nossas famílias e nossos professores. Uma hora para derramar alguma lágrima. Refletir profundamente, como em nenhum outro momento isso poderá ser mais vivamente atingindo. O que foi toda essa experiência? E essas pessoas que conhecemos? Demos passos na estrada do saber e também sobre como repartir nossos aprendizados e realizações com a sociedade - responsabilidade. Tão impossível medir a dimensão de tudo isso que o cérebro não conseguirá encontrar palavras. Porém, no final, o coração sempre triunfante se fará expressar ao som das palmas das mãos de todos nós.
Vitor Bustamante – Formando 2008 do MultiMeios PUC/SP

Livro com uma mão não dá

Ler segurando o livro com apenas uma das mão não dá. É como fazer sexo ativo sem ter as duas mãos na parceira, não dá. E uma mão escondida s...