segunda-feira, novembro 28, 2011

Doce palíndromo,

Por mais que aparente não termos nada a ver um com outro chega até mim a percepção de que o imenso potencial para ser felizes juntos repousa sobre nós. É como um tipo sanguíneo que unido ao outro gera um pouco de Deus. Bem mais que o suficiente.

sábado, novembro 19, 2011

Sobre investir em flores

Quanto vale um sentimento? Um sentimento dos filhos da matéria pode ser dado por aquela que os gerou.

Tudo isso porque comprei uma flor para dar a ela. Estamos saindo há pouco tempo. A intemporalidade da alma que habita em cada um transcende qualquer noção quantitativa de período. É como o corpo que sente.

No amor, isso quer dizer, olhando nos olhos dela, percebo ser muito melhor o peito usar o cérebro a seu serviço do que o contrário. Assim podemos escapar do medo paralizante. E investir na flor!

Claro, isso no amor, olhando nos olhos dela. Na prudência, olhando nos olhos dela e segurando sua mão, inverte, a liderança é cerebral. Pendulamos de um para o outro na dança microcósmica e particularmente infinita de nós. Mas reafirmo: no amor dos seus olhos, há flor!

sábado, novembro 05, 2011

Quando as coisas começam a dar errado

Quando as coisas começam a dar errado na vida é o Amor-maior falando "volta pra mim, volta a amar verdadeiramente. Esquece esse ego admirável, repleto de ilusões confusas e anda no chão seguro da minha paz, cheio de compaixão para com o tudo e todos".


Livro com uma mão não dá

Ler segurando o livro com apenas uma das mão não dá. É como fazer sexo ativo sem ter as duas mãos na parceira, não dá. E uma mão escondida s...