Me apaixonei pelo fogo

Estou no sítio da Edna, amiga dos meus mais e, por conseguinte, minha. A sala é dividida em dois ambientes, um com o sofá, tapete, livros, janela e cômoda, o outro ambiente da sala contém a mesa de oito lugares, de madeira, estilo antigo, uma porta de vidro pro quintal. No meio dos dois ambientes, está uma lareira de centro. Linda e que aquece a casa quando ligada. Hoje assumi um pouco mais a responsabilidade sobre o fogo. Como bom novato, na hora que peguei o jeito me empolguei. rs. Ficou um fogão e todo mundo tirou a blusa por causa do calor. Estamos eu, meus pais, a Marcia e a Edna. Por causa do calor, mudamos para a cozinha ao lado. rs. 

Meu signo e ascendente são do elemento fogo, Sagitário com ascendente em Aires. Ainda não sei bem direito o significado misterioso dos signos mas sei indireito o suficiente pra conversar sobre os arquétipos. Não sei se por causa da minha astrologia no elemento, mas provavelmente não... Em certo momento, me dei conta do fogo em seu ser. Hipnotizado, me vi conversando com ele num diálogo de almas. Muitas vezes imaginei a alma como fogo em luz. A imagem do que seria o espírito, seria fogo espiritual. Um outro estado da matéria, indefinido como o fogo e muito próximo a ele. Quando olhei o fogo e o reconheci, era como se eu o sentisse queimando dentro de mim, atingindo minhas memórias, estando nelas, se gravando naquela hora na minha lembrança, estando totalmente presente. Me apaixonei! O momento durou alguns minutos e logo vieram os pensamentos, a comunicação trivial com as pessoas, a organização de pequenos objetos e o fogo foi saindo do protagonismo em mim e voltando para a composição do ambiente. Ficou lá, e lá ficará nessa minha história a levar pelos anos. No ambiente que ele ajudava a compor, ficou, e também com o seu poder reconhecido pelo meu eu-alma, sabido das coisas da vida e da natureza, sabido que não sabe nada, sabido que há coisas que não se podem dizer mas estão lá como um fogo, encantando e aquecendo. Percorrendo as madeiras comunicáveis e irradiando o seu calor sobre o qual não conseguimos dizer palavras, mas com a luz dos olhos confirmamos a existência quando o reconhecemos e olhamos para alguém que também está reconhecendo, naquele momento, o indizível. Cúmplices do que não sabemos mas temos certeza.

Comentários

Alice disse…
Acho tão bonito o fogo
queimando
amarelo dourado,
vermelho nos olhos, nos lábios
queimando
acho tão bonito
sentimento brasa (...)

:D

Postagens mais visitadas deste blog

Bustamante

Texto que escrevi e li como orador dos formandos de 2008 do curso de Comunicação e MultiMeios da PUC/SP

Tema da redação: Heróis reais