Nesse final de semana...

...o triângulo (eu, o teclado e a tela) se dedicará à monografia do grupo da faculdade e a um outro trabalho. Já se dedica, na verdade. Legal foi ver meu pai chegar aqui, pegar o livro que estou usando para o meu capítulo (livro dele) e abrir numa parte, sem olhar no índice, e ler uma visão histórica do pobre posta no meio (mais pro final) do livro. Pobre é uma coisa maluca, absurda e engraçada que sempre existiu. O texto em questão é o Império, do Michael Hardt e Antonio Negri. Uma obra absolutamente foda na minha opinião. Vai escrever bem assim na casa do chapéu - para usar melhor a sinceridade. Meu pai também comentou que, em entrevista, o alto chefão dele (o dono do banco no qual meu pai labuta) teve por um tempo esse livro ao lado da cama. Não como manual ou idolatria, mas como fascinação por ser extremamente foda (tanto por ser bom quanto por causar confusões na nossa cabeça com falas/análises simples). O José Arbex Júnior, escritor da Caros Amigos, num debate lá na faculdade, disse não concordar que o imperialismo acabou e que existe hoje o Império no mundo, como dizem os autores do livro. Concordando ou não eu sei enxergar o quão foda são os autores do livro, o quão foda o Arbex Júnior é, assim também o é o Hugo Chavez, o Dom Quixote e o Agostinho Carrara da grande família.

Comentários

Niara disse…
o meu caso com o triângulo é escapar da leitura dos textos para as provas da semana q vem, ai ai... mas sinceramente, prefiro o triângulo mineiro!!!!

BJsss

Postagens mais visitadas deste blog

Bustamante

Texto que escrevi e li como orador dos formandos de 2008 do curso de Comunicação e MultiMeios da PUC/SP

Tema da redação: Heróis reais